quarta-feira, 12 de junho de 2013

CORUJA

Reino dos animais
Vertebrados
Grupo das aves

Descubra tudo sobre a coruja, uma caçadora noturna muito bem equipada
A coruja troca o dia pela noite e aproveita a escuridão para caçar; saiba tudo sobre a ave

Após um dia de sono, as corujas se preparam para sair, em plena madrugada, quando outros bichos estão dormindo e a concorrência nas caçadas é menor. Elas ficam paradas, de olhos bem abertos e ouvidos atentos. Quando percebem um movimento, voam perto do solo e mergulham silenciosamente para capturar o jantar. Há mais de cem espécies de várias cores e tamanhos.
Algumas preferem climas mais frios, outras gostam de florestas úmidas e existem até as que vivem no deserto. Na época do acasalamento, os machos capricham nas caçadas, para conseguir um lanche a mais e oferecê-lo à fêmea que escolheram. Depois do namoro, os dois chocam os ovos. Quando os filhotes nascem, os pais ficam por perto para garantir proteção e alimento para os bebês.
Aos poucos eles aprendem a voar e a caçar. Alguns pesquisadores acreditam que bebês corujas aprendem boas maneiras desde cedo, pois, antes da chegada dos pais com a comida, negociam para resolver quem vai comer primeiro. Eles conversam, trocando piados e gritos. Os mais famintos fazem mais barulho e comem primeiro. Os outros esperam sua vez, pacientemente. Nos primeiros meses, os filhotes de coruja ficam o tempo todo no ninho, cercado de cuidados

Conheça todas as partes do corpo dessa ave caçadora!
Os ouvidos estão escondidos nas laterais da cabeça. Um deles fica mais alto do que o outro e, com essa diferença, a coruja calcula a altura e a distância das presas. Sua audição é muito boa. Ela ouve os passos de um rato a 23 metros de distância! Quando está caçando, move as penas da face de modo a deixá-las com o formato de uma antena parabólica, que amplifica os sons.
Os olhos grandes, bem na frente da face, são voltados para a mesma direção e garantem maior nitidez de visão, mas só deixam ver o que está bem à sua frente.
O bico duro, forte, curto e com a ponta curvada para a frente ajuda a agarrar e dilacerar presas. Algumas espécies o utilizam para cavar buracos.
O pescoço tem uma mobilidade impressionante. Ela pode girar totalmente a cabeça para seguir o movimento das presas.
As asas leves e arredondadas são cobertas por penas bem macias. Podem ter de 30 centímetros a 2 metros, dependendo da espécie.
As penas são macias como veludo e permitem um voo silencioso. Em algumas espécies de regiões geladas, a cobertura de penas é mais grossa para manter o corpo aquecido. As penas das pernas protegem contra mordidas de cobras e de ratos.

Onde as corujas ficam durante o dia?

A maioria das corujas se abriga em cavernas ou galhos de árvores durante o dia. Algumas espécies, como a buraqueira, escondem-se em buracos e tocas  cavadas no chão. Outras ainda utilizam como "dormitório" torres de igrejas, telhados e forros de casas velhas. Na mata, para escapar dos inimigos e não ser  atacada enquanto está dormindo, a coruja utiliza sua plumagem - que vai do branco-amarelado ao preto - para se confundir com a folhagem e os galhos das árvores . "Embora seja uma ave de hábitos
 noturnos, as corujas também são ativas e enxergam bem durante o dia. Mas, como usam esse período para
repousar,  ficam mais expostas aos predadores, como cobras e outros pássaros", diz o ornitólogo (especialista em aves) Carlos Eduardo  Sant’Ana, da Universidade Católica de Goiás.

Para caçar, sem se ser percebida, a coruja voa sem fazer barulho – tudo isso graças ao formato de suas asas.

Você sabia que:
As corujas emitem vários sons para se comunicar.
No Brasil, há 18 espécies de coruja. As mais conhecidas são a suindara, que faz ninho sem torres de igrejas ou casas abandonadas, a orelhuda, que tem penas alongadas no alto da cabeça, e a buraqueira, que monta ninhos em buracos

Ficha:
Altura: de 13 a 71 centímetros.
Peso: de 42 gramas a 4 quilos.
Tempo de vida: cerca de 20 anos.
Número de ovos: de 2 a 6.
Alimentação: ratos, besouros, sapos, rãs, pássaros, cobras e peixes.
Onde vive: em todos os continentes, menos na Antártida.






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário